Uma palestra-arena para Rafael Coutinho

{"dmd_details":{"tags":"","altitude":-13,"horizontal_accuracy":5,"description":"PE, Brasil","direction":-1,"longitude":-34.88079942141704,"latitude":-8.071710019543048,"linked_equi_url":"assets-library://asset/asset.JPG?id=103D1E2C-A010-4EBF-8AD2-EB7ED7095483&ext=JPG","heading_type":"","vertical_accuracy":12,"name":"Parque Das Cinco Pontas, Recife","gps_timestamp":1446315072,"creation_time":1446315060,"pub":true},"dmd_datatxt":{"fovx":223,"type":"cyl"}}

Quebrando o protocolo, Rafael Coutinho da Narval Comix fez uma palestra um tanto diferente do habitual. Do auditório, levou sua fala para o meio da lona circense da Praça D’Armas , onde estava acontecendo a Feira PUBLIQUE-SE, e deu voz a todas as editoras presentes. Ouviu cada um dos participantes.

A tarde do sábado (31), foi de interação e compartilhamento de experiências no PUBLIQUE-SE. Por isso, o que se via eram pessoas atentas e com desejos de ampliar aquela teia afetiva para os próximos eventos do calendário.

“Arte é a coisa mais séria que existe no mundo,” defendeu Coutinho com brilho nos olhos. Nessa fala, o quadrinista enfatizou que a cena independente precisa se profissionalizar mais e criar eventos como o PUBLIQUE-SE para fortalecer a produção.

O artista também contou um pouco da experiência com a Narval Comix. “Eu não publico o tanto quanto eu gostaria. Durante esses 6 anos, a gente bancou esse risco da autopublicação. O mercado esticou, encolheu e vários momentos foram exaustivos. Montei a editora porque eu queria que existisse um espaço para que eu, meus amigos e outras pessoas também tivessem espaço”, comenta Rafael.

Finalizando sua fala ele alertou: As grandes editoras não são as vilãs e nem o jogo do mercado editorial é só criminoso. Não podemos ver dessa forma. A amazon está mudando a história. Já está mudando e Vai mudar o mercado editorial.

Foto: Raphael Malta Clasen